Buscar
  • Comunicação ACE Itaúna

WhatsApp Pay, um presente para o varejo


Nova ferramenta de pagamentos do WhatsApp facilita a jornada de compras do cliente e ajuda no fluxo de caixa dos pequenos negócios




Chegou o dia! A partir de hoje, o sistema de pagamentos e envio de dinheiro do aplicativo WhatsApp começa a operar no Brasil. O WhatsApp Pay é voltado tanto para pessoas físicas quanto jurídicas e permite transferir dinheiro diretamente pela tela de conversa no aplicativo.

As transações poderão ser feitas usando cartões de débito ou crédito de instituições financeiras parceiras. Inicialmente, a lista inclui Banco do Brasil, Nubank e Sicredi nas bandeiras Mastercard e Visa. Cada transação terá uma taxa de 3,99% para o comerciante e o dinheiro será recebido em até dois dias úteis. Os pagamentos serão processados pela Cielo e não preveem custos para consumidores e pessoas físicas.


As pequenas empresas são um dos principais focos do lançamento. Segundo Matt Idema, diretor de operações do WhatsApp, a expectativa é ajudá-las a impulsionar as vendas. “O pagamento digital torna as vendas mais fáceis e convenientes, especialmente agora, com o isolamento social”, disse o executivo.



As vantagens para o varejo


Para Rodrigo Ricco, CEO da startup Octadesk, especializada em vendas digitais, o timing de lançamento do produto é perfeito. Segundo levantamento interno da empresa, a interação entre clientes e empresas no aplicativo aumentou em 500% no período de isolamento em decorrência da Covid-19.


“A nova função do WhatsApp Pay não poderia ter vindo em melhor hora. Hoje, mais da metade da população do país trabalha com WhatsApp”, explica Rodrigo. Segundo o especialista, a crise provocou uma transformação digital acelerada nas empresas, que passaram a ter a necessidade de se comunicar, atender e vender de uma forma ágil. “Quando surge um aplicativo que abraça todas essas necessidades e que já esteja disseminado por toda a população, é muito mais fácil executar as vendas”, diz.


Segundo Rodrigo, o WhatsApp assume um novo significado para seus usuários, na medida que com o WhatsApp Pay ele passa a ser visto como um canal para agilizar negócios. Essa nova funcionalidade também representará um salto na qualidade da relação entre comerciantes e o cliente.


“Com a novidade, será possível que o varejista ou prestador de serviço acompanhe toda a jornada do cliente, desde a captação de conversa e demanda, realização do atendimento, e a conclusão da venda. Isso é positivo pela conveniência proporcionada ao consumidor”, explica. “Imagine que, de casa, o usuário consegue entrar em contato com a empresa, conferir catálogo de produto, tirar suas dúvidas, avançar o processo de negociação e concluir a compra”.


Rodrigo explica que aplicações como essas são importantes para remover atritos no processo de venda, como troca excessiva de e-mails e formulário de cadastro. “É, sem dúvida, uma forma eficiente de realizar compras e vendas, uma vez que a maior briga do mercado é conseguir a atenção dos consumidores, e no momento que se consegue você precisa ter um processo ágil que facilite a vida do cliente, caso contrário, ele irá mudar de canal e ir até o concorrente”.



Funcionamento e segurança


O funcionamento do WhatsApp Pay será muito parecido ao do cartão de crédito. É necessário cadastrar ou criar uma conta da Cielo pelo Facebook Pay, fornecer dados como CNPJ, endereço e conta bancária da empresa. Após o cadastro, o aplicativo leva cerca de três dias para liberar a função. A taxa é bem similar ao do cartão de crédito, com a diferença que o empreendedor terá o dinheiro na conta em até 2 dias úteis, e não em 30 ou 40 dias como é no processo tradicional. “Isso é muito bom pois ajuda no fluxo de caixa de pequenos negócios. A outra vantagem é que ele cobre os cartões de débito e crédito”, diz Rodrigo.


Em relação à segurança, o especialista também aprova o modelo do sistema. “É absolutamente confiável, pois cada transação deverá ser liberada com uma senha (PIN) ou por biometria, o que garante que nenhuma operação no aplicativo seja realizada sem o consentimento do usuário “, diz.


Segundo Matt Idema, o lançamento abre caminho para que, no futuro, usuários brasileiros também possam fazer transações por outros aplicativos da empresa, como o Messenger, ou para que os mesmos dados de cartão possam ser utilizados em toda a família de aplicativos da empresa, como o Instagram.



Transações entre pessoas físicas


Para realizar transferências pelo aplicativo, será necessário que as duas pessoas tenham conta em alguma das instituições financeiras credenciadas. As transações não têm taxa e são concluídas no mesmo dia, se respeitado o horário de funcionamento da instituição, ou no próximo dia útil. Na função, apenas cartões de débito serão aceitos.


É possível enviar até R$ 1 mil por transação e receber até 20 transações por dia, respeitando o limite de R$ 5 mil por mês.



Entre empresas


Negócios poderão usar o recurso pelo WhatsApp Business. Será necessário cadastrar ou criar uma conta da Cielo pelo Facebook Pay, fornecendo dados como CNPJ, endereço e conta bancária da empresa. Após o cadastro, o aplicativo levará até três dias para liberar a função.


As empresas não precisam ter uma conta em uma das instituições parceiras para receber pagamentos. Apesar, cada transação terá uma taxa de 3,99% e o dinheiro será recebido em até dois dias úteis. Não há limite de transações desse tipo.


FONTE: FCDL MG

0 visualização
Acompanhe nossas Redes Sociais:
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
© Todos os direitos reservados | Comunicação ACE Itaúna 2020.