top of page

Empreendedorismo que transforma vidas



Mazé Lima, dona da Mazé Doces Artesanais, hoje possui uma vida confortável e um império açucarado, construído com muita dedicação, superação, mas acima de tudo, com muito amor. Mas nem sempre foi assim. A empresária só deu a grande virada após a vida lhe tirar um pouco o chão. Depois do nascimento do seu segundo filho, a então faxineira foi despedida e se viu em uma situação difícil. Foi então que Mazé respondeu a um grande chamado: empreender.


A empresária cresceu na roça, e lá, aprendeu com sua mãe vários trabalhos e desenvolveu talentos que fizeram toda a diferença quando precisou achar uma forma de ganhar dinheiro para sustentar a família. Se quando jovem odiava fazer doces, foi justamente esse dom que transformou a vida de Mazé e sua família.


“A minha mãe sempre me moveu para o mundo dos negócios, mas só fui perceber mais tarde. O gosto por negócios começou na minha infância. A minha mãe, uma mulher muito à frente do seu tempo, já fazia micro negócios: costurava roupas e colocava a gente (os filhos) para vender; plantava alho, farinha, polvilho, e lá íamos nós vender.


Isso, para mim, já era empreender, mesmo desde muito nova”, comenta.


A história contada no episódio desta semana da Varejo S.A Podcast é inspiradora e não tão distante da realidade. Segundo uma pesquisa realizada pelo Sebrae, utilizando como base os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) da PNADC (Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios Contínua), no ano de 2022, o Brasil alcançou uma marca inédita de mulheres empreendedoras.


As empreendedoras respondem por 34,4% dos empreendimentos brasileiros. Isso representa mais de 30 milhões de mulheres a frente de negócios por todo Brasil.


Mulheres que suportam mulheres

A Mazé Lima é de Carmópolis de Minas (MG), e PNADC, o estado possui a maior proporção de empregadoras mulheres, com 18%. Para a empresária, gerar empregos é uma missão e “o maior projeto social que uma pessoa pode realizar”. Após receber vários “nãos”, fez uma promessa de que criaria o próprio emprego, mas também iria gerar muitos empregos para a sua cidade.


“Empreendedorismo é via de mão dupla. Se fosse uma via de mão única, não funcionaria. Eu gosto muito de contratar meninas e mulheres que vem do meio rural e doméstico, e eu me sinto muito honrada de poder ter a oportunidade de oferecer uma profissão e conhecimento para elas”, afirmou Mazé Lima, em bate-papo com a equipe da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).


No dia 8 de março deste ano, a Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que criou o Programa de Crédito da Mulher. O projeto de lei (PL) seguiu para o Senado. A relatora do PL, a senadora Dorinha Seabra (União-TO) fala sobre a importância da aprovação da medida e pontuou em números a força do empreendedorismo feminino.


“Segundo estudo realizado pela Rede Mulher Empreendedora em 2022, 55% das mulheres empresárias tinham dificuldade em conseguir crédito, ao passo que, ao se considerar homens e mulheres na amostra, apenas 33% tinham essa dificuldade. O projeto diminui as desigualdades no acesso ao crédito e promove o empoderamento feminino. É meritório incentivar o crescimento de empresas conduzidas por mulheres, pois elas contratam proporcionalmente mais mulheres que os empresários homens. É benéfico para a inserção feminina no mercado de trabalho”, disse a parlamentar para a Agência Senado.


O Sebrae possui um programa voltado para as mulheres empreendedoras, por meio do qual as auxilia na jornada empreendedora. Chama-se Sebrae Delas . A CNDL também possui um projeto que visa dar voz e buscar melhores condições para as mulheres empreenderem, o Mulheres que Constroem o Varejo. Entre as ações da iniciativa, a entidade tem produzido conteúdo para empoderar estas empresárias na gestão do negócio, com cartilhas, episódios de podcast e matérias sobre empreendedorismo feminino.


Mazé lembra que as mulheres nunca devem deixar de acreditar em si mesmas e buscar conhecimento pode enfrentar a jornada e os desafios do empreendedorismo, que não é fácil, mas que é possível.


“A coisa mais importante que eu aprendi e que sempre que eu posso eu falo, é acreditar em nós mesmas e procurar informação sobre aquilo que você quer fazer.


Conhecimento é poder e ajuda muito, mas nunca deixe de acreditar em você e no seu potencial. Jamais dê ouvidos aos ruídos, pois sempre vão nos dizer que não somos capazes, mas nós somos, e acreditar nisso e trabalhar para o sucesso, a gente conquista isso”, ensinou no episódio #106 do Varejo S.A. Podcast.


FONTE: VAREJO S.A.

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page